CONTACTO    ACTIVIDADES    MÍDIA    EDUCAÇÃO & LEITURA    LIVROS    PLANTAS    LENDAS    GASTRONOMIA


Dulce Rodrigues, escritora

páginas em francês   páginas em português   páginas em inglês

HOME

A Gastronomia faz parte da nossa cultura

Bacalhau à Brás

Caldeirada à Algarvia

Caldo verde à Minhota

Cataplana de frango

Croquetes de carne

Esparregado de nabiças

Fogaça de S. M. da Feira

Folar da Páscoa

Licor de ginja

Pastéis de bacalhau

Peixinhos da horta

Pudim de abóbora

Pudim de leite

Salada à Algarvia

Tarte de amêndoa

Torta de laranja

 

Livro de Visitas

LIVRO de VISITAS

 
 

UMA HISTÓRIA DE OLIVEIRA E... DE AZEITE
(do latim "Olea Europaea")
 
 

 
 

ramo de oliveira com azeitonas

História: A relação dos povos do Mediterrâneo com a oliveira é quase tão antiga como esses mesmos povos. Esta árvore tem desde tempos imemoriais sido associada a práticas religiosas e a tradições, a usos culinários e medicinais, e muitos são os mitos e simbologias que se lhe atribuem: vitória, paz, progresso, abundância, sabedoria, justiça e fertilidade - para só citar os mais importantes.

Segundo referências na Bíblia, a oliveira já existia quando Adão e Eva foram criados. Uma lenda conta que, quando Adão chegou aos 930 anos de idade, se lembrou de que o Senhor lhe tinha prometido o óleo da misericórdia para redenção dos seus pecados e dos da Humanidade. Enviou então o seu filho Seth ao Jardim de Éden, onde um querubim lhe deu três sementes da árvore do Bem e do Mal. Essas três sementes germinaram na boca de Adão depois da sua morte e delas nasceram três árvores no cimo do Monte Tabor, no vale de Hebron: a oliveira, o cedro e o cipreste. A Bíblia diz-nos também que quando Noé enviou uma pomba branca para saber se as águas do dilúvio já tinham baixado, a pomba regressou com um ramo de oliveira. E foi assim que Noé incluiu esta árvore entre as quatro primeiras plantações que efectuou: a oliveira, a figueira, a vinha e o trigo.

Na antiga Grécia, as mulheres que queriam ter filhos permaneciam por longos períodos à sombra das oliveiras, a fim de que o seu desejo fosse realizado. Diz-nos também uma lenda que, um dia, os deuses gregos Posóidon e Atena discutiram um com o outro sobre quem daria o seu nome à cidade que depois ficou conhecida como Atenas. Para acabar com o diferendo, os outros deuses decidiram que aquele que fizesse a melhor oferenda à humanidade teria esse privilégio. Posóidon lançou o seu tridente sobre a praia e imediatamente apareceu um cavalo. Mas Atena arremessou a sua lança contra o chão e daí nasceu uma oliveira. Foi a deusa que ganhou, pois a oliveira é símbolo de paz.

Quando os Romanos conquistaram a Península Ibérica, ficaram maravilhados com o azeite que se produzia na região que é hoje o Alentejo (Portugal) e começaram a exportá-lo para Roma. O geógrafo e historiador grego Estrabão menciona essas exportações, e o historiador romano Plínio refere nos seus escritos as oliveiras que nessa mesma região do Alentejo cresciam entre as cearas e descreve a maneira como eram podadas.

Igualmente os Visigodos e, mais tarde, os Árabes, foram povos que desenvolveram enormemente a cultura da oliveira no território que é hoje Portugal. E é aos Árabes que se deve o nome português do fruto da oliveira e do óleo que do mesmo é extraído - azeite. Efectivamente, ao contrário do que acontece nas outras línguas latinas, azeitona e azeite vêm respectivamente das palavras árabes az-zeitúnâ e az-zeit.

É sobretudo com Dom João I, no século XV, que o cultivo das oliveiras atinge o seu apogeu em Portugal, especialmente nas regiões entre Évora e Coimbra, estendendo-se ao longo do vale do Tejo, desde Lisboa até Santarém. Em 1572 aparecem as primeiras directivas para a extracção do azeite, e as licenças para exercer esse ofício eram concedidas através de cerimónia em que o candidado prestava sermão sobre as Sagradas Escrituras. Todo este processo era uma garantia da competência profissional dos produtores e da qualidade do azeite.

Nos séculos XVII e XVIII, a oliveira era cultivada em quase todo o território português, pelo que foram criadas áreas de Origem Protegida, e a exportação de azeite tomou tais proporções que a parte da produção destinada a consumo interno se viu seriamente ameaçada, levando mesmo à especulação.

Curiosidades da História: O brasão dos Estados Unidos apresenta uma águia-de-cabeça-branca segurando um ramo de oliveira numa das garras e um feixe de flechas na outra. Esta imagem é bem simbólica da duplicidade política e económica de que os Estados Unidos têm dado prova. Pelo ramo de oliveira, simbolizam o seu desejo de viver em paz. Mas o feixe de flechas não deixa qualquer dúvida de que estão dispostos a pegar em armas para defender essa paz... se ela ameaça os seus interesses comerciais.

Presença da oliveira em nomes próprios e de lugares: Esta omnipresença da oliveira no território português perpetuou-se até aos nossos dias nos nomes de vilas e aldeias, como Oliveira de Azeméis ou Oliveira do Bairro, ou noutros como Azeitão, mais alusivos ao óleo que dela se extrai. Igualmente encontramos referências à oliveira em apelidos de famílias, do Norte ao Sul de Portugal: "de Oliveira" ou "Oliveira de".

A mais velha oliveira de Portugal, da Europa e possivelmente do mundo encontra-se no Algarve, perto da cidade de Tavira. Tem mais de 2000 anos e julga-se que foram os Fenícios que a terão trazido da Mesopotâmia. É uma árvore enorme, com cerca de 7,70 m de altura e uma envergadura (diâmetro total) de 10-11,80 m. Só o tronco faz cerca de 3,60 m de diâmetro na base, e são precisas 5 pessoas com os braços estendidos para o conseguirem rodear completamente. O tronco tem inúmeras brechas e por uma delas, de uns 40 cm de largo, acede-se a um espaço circular de cerca de 1,30 m de diâmetro no interior do tronco. Pode dizer-se que é o ser vivo mais velho de Portugal, mais antigo do que o cristianismo, testemunha muda de todas as vicissitudes e glórias que fizeram a História do país. Em Agosto de 1984, esta oliveira foi declarada de interesse público por artigo no "Diário da República".

Quem estiver interessado em ver pessoalmente esta maravilha da natureza deve dirigir-se ao aldeamento turístico de Pedras d'el Rei. A oliveira encontra-se a cerca de 120 m ao norte da recepção do complexo, entre as vivendas 46B e 48A.

Utilizações na cozinha: Também a gastronomia tradicional portuguesa é um testemunho da presença da oliveira na cultura portuguesa - dos pratos de bacalhau às cataplanas, passando pelos migas alentejanas, quase nenhum cozinhado português dispensa o azeite. E o nosso folclore encerra em si próprio algumas belas canções associadas à apanha da azeitona. Um período houve, todavia, há algumas décadas, em que certas "modernidades" deveras nefastas, sobretudo para a saúde, conduziram a que o azeite fosse injustamente tratado e relegado para segundo plano. O conhecimento científico recente tem vindo, felizmente, a reabilitar o azeite e a cozinha tradicional dos povos do Sul, provando as suas virtudes na prevenção de doenças cardiovasculares, na protecção contra certos cancros, no controle dos níveis de colesterol, para só citar algumas das doenças que atormentam o Homem moderno. O azeite é o sumo da azeitona e conserva todas as vitaminas (é uma fonte de vitamina E), antioxidantes e propriedades do fruto de que é extraído.

Este precioso óleo declina-se em "azeite extra virgem", o melhor, quase sem acidez e obtido por primeira pressão a frio; "azeite virgem", de categoria um pouco inferior e com um nível de acidez ligeiramente mais elevado; e "azeite", mistura de óleo e de azeite virgem. Guardado num sítio fresco (à temperatura ideal entre 8 e 15 graus) e escuro, o azeite pode conservar-se durante 18 meses. Se colocado no frigorífico, o azeite fica turvo, mas basta deixá-lo de novo à temperatura ambiente para que recupere a limpidez.

Em Portugal, as garrafas mencionam sempre a percentagem de acidez do azeite, o que representa uma garantia de qualidade para o consumidor - contrariamente ao que se passa na maior parte dos outros países igualmente produtores de azeite em que esta informação não é dada, possivelmente porque não conseguem obter azeites com baixa percentagem de acidez. Uma razão mais para se preferir o azeite português.

Azeite aromático
Uma saborosa receita para temperar as suas saladas, legumes e outros pratos.

1 litro de azeite extra virgem
3 raminhos de alecrim
3 raminhos de tomilho
3 raminhos de orégãos
3 raminhos de hortelã
3 raminhos de mangericão
1 colher (sopa) rasa de sal grosso
1 pé de tomilho seco
1 frasco alto e com fecho hermético

Limpe muito bem as ervas aromáticas e frescas, de preferência sem as lavar. Utilize papel de cozinha para o efeito.

Escalde e seque muito bem o frasco. Esmague as ervas ligeiramente num almofariz e depois deite-as no frasco. Junte o sal e regue com o azeite. Feche o frasco hermeticamente e agite a mistura.

Ponha o frasco num local seco e ao abrigo da luz. Passadas cerca de três semanas, coe o azeite para uma garrafa onde introduziu previamente o pezinho de tomilho seco.

© Dulce Rodrigues

 

ENVIE O SEU COMENTÁRIO - Gostaria da sua opinião

 
 
 



história do pão

A história do pão
 

história do sal

A história do sal
 

ramo de oliveira com azeitonas

Uma história de oliveira...
e de azeite
 



Siga Dulce Rodrigues no Google

Siga Dulce Rodrigues no Facebook Siga Dulce Rodrigues no YouTube Siga Dulce Rodrigues no Pinterest Siga no LinkedIn  

Copyright © Dulce Rodrigues, 2000-2016. Reservados todos os direitos.